domingo, 25 de agosto de 2013

SUPER-HERÓIS NACIONAIS: COMANDO 5

Foi lançada nesse sábado, 24/08, a nova edição da revista Comando 5, na Gibiteca de FortalezaOs super-heróis foram criados e produzidos no Ceará e seus criadores fizeram a revista para oferecer aos fãs de quadrinhos histórias de aventura que se aproxime da realidade brasileira, mas com um padrão internacional.
O Comando 5 é uma criação do desenhista e quadrinista carioca radicado no Allan Goldman, que trabalhou para a Dc Comics, juntamente com uma equipe formada por  Luis Carlos Souza, Maxwell Duarte, Robson Albuquerque e outros artistas brasileiros. Os personagens da Comando 5 são Alfa Negro, Táqui, Yeti, Pilha e Oculto.
FONTE: G1 - CEARÁ

sábado, 24 de agosto de 2013

Livro "A História de Chiquinho" é lançada em versão digital


Parceria entre Instituto Chico Mendes e Governo do Estado, por meio da Comissão que celebra as atividades "25 Anos - Chico Mendes Vive Mais", foi responsável pelo lançamento digital do livro em quadrinhos que conta a história de vida e luta de Chico Mendes.
O lançamento foi realizado no gabinete do governador Tião Viana, com a presença do próprio governador, da primeira-dama Marlúcia Cândida, que é coordenadora da Comissão, e de seus filhos Catarina e Virgílio.
O professor Marcos Afonso, diretor da Biblioteca da Floresta - responsável pela divulgação do livro digital - conduziu a solenidade com a coordenadora executiva da comissão, Walnízia Cavalcante. O evento também contou com a participação de representantes da comissão, entre eles: a presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, Francis Mary, Ana Cristina, da assessoria do IFAC, Andréa Zílio, secretária Adjunta de Comunicação e de Turismo.
Um grupo de crianças da Casa de Leitura Chico Mendes, localizada no bairro Wanderley Dantas, em Rio Branco - projeto idealizado e incentivado pelo governador quando ainda senador - se apresentou cantando e recitando poesias, mostrando os frutos do projetos.
“O que queremos é que os ensinamentos e a luta do Chico ultrapassem as fronteiras e possam ser apreendidos por todos”, comenta a primeira-dama Marlúcia Cândida. No evento o governador realizou a liberação eletrônica do download gratuito do livro para mais de cinco mil bibliotecas públicas do Brasil.
O download permite que diversas bibliotecas de todo o mundo possam ter o material que conta em uma história em quadrinhos a vida de luta que Chico Mendes teve em vida na floresta amazônica do Acre, para que nunca se apague”, disse o professor Marcos Afonso.
O cartunista Ziraldo é o responsável pelos desenhos do livro e traz uma forma didática e pedagógica para as crianças, a edição do livro contou com pesquisa de Charlene Carvalho e  texto de Walquíria Raizer. “É importante disseminar a história de Chico para o mundo inteiro, por isso a importância deste livro em quadrinhos”, explica Elenira Mendes, presidente do Instituto Chico Mendes e filha do líder sindical.
PUBLICADO NO NOTÍCIAS DO ACRE

terça-feira, 20 de agosto de 2013

DIA DE ARRUMAÇÃO NA GIBITECA

Nosso lema é "nada se perde, tudo se aproveita". Foi assim que conseguimos 80% da nossa mobília e manter o nosso acervo cada vez mais variado. Hoje, colocando em prática nosso lema, reaproveitamos um armário, sem portas. 

Ele será o cantinho do professor (e do aluno, também), com quadrinhos educativos, institucionais, quadrinhos de alunos e, inclusive, livros teóricos para consulta dos professores da escola.

Hoje demos só uma "ajeitada" no armário (que perdeu as portas e virou estante), mas temos a promessa da diretora de que ele será pintado e vai ficar fofo. Estamos aguardando. Enquanto isso, vejam fotos da Gibiteca, tiradas hoje. 

Prateleiras, com quadrinhos educativos e de alunos
Armário velho transformado em estante

Cantinho dos super-heróis
Nova instante já em funcionamento
Nossos expositores 
 Eu fico triste quando uma pessoa me fala que tem vontade de fazer uma gibiteca em sua escola mas não tem dinheiro. Se me falasse que não tinha espaço eu ficava quieta. Nossa gibiteca não tem dinheiro e funciona. Não temos verba específica, não temos recursos próprios e estamos na luta desde 2007. Nessas horas eu respondo: onde não tem dinheiro, tem boa vontade.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

REAPROVEITAMENTO DE REVISTAS EM QUADRINHOS

Pois é, todo mundo sabe que, quando dá,  a gente arruma um jeito de remendar, tocar capa e aproveitar ao máximo as revistas da escola. Mas nem sempre tem jeito e algumas fica tão despedaçadas, faltando páginas e com algumas páginas rasgadas, que o jeito é reservar e pensar numa forma de aproveitar.

Pois bem, depois de ver tantos bons exemplos de trabalhos manuais usando revistas em quadrinhos, resolvemos aderir e, a partir do material estragado, produzimos alguns utensílios que vão ser bem úteis na gibiteca: caixas para guardar listas, relatórios e até material de consumo, além de uma caixa para transportar e recolher revistas.

Mas só vale com as revistas estragadas, viu!

Vejam como ficou:





Vale até, quem sabe, uma futura oficina onde os alunos possam produzir suas caixas para guardas revistas em casa e na sala de aula.

sábado, 17 de agosto de 2013

COMEMORANDO OS 75 ANOS DE SPIROU


Spirou é o jovem herói da história em quadrinhos franco-belga. Spirou é um aventureiro que trabalhava como carregador de hotel  que tem como companheiro o esquilo Spip e que tem como  grande amigo Fantasio, um repórter fotográfico do jornal Mostique.



Spirou acaba se tornado um repórter, mas sem abandonar sua roupa vermelha. Junto com  Fantasio ele desvenda mistérios e enfrenta situações sobrenaturais. É um quadrinho de que mistura de forma intelige nte humor e aventura.  



Assista um compacto do desenho do Spirou & Fantasio, que passa na TV Brasil.





Para as comemorações foram feitas edições especiais e várias exposições. A mais recente é a exposição: « Spirou, un héros dynamique ». 


A revista belga Spirou foi criada por Jean Dupuis, em 21 de abril de 1938, e está celebrando 75 anos. Spirou foi testemunha da II Guerra e um dos raros personagens que se mantém popular depois de tantas década. Vale a pena dar uma conferida nas fotos da sua nova exposição, clicando aqui!

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

OFICINAS DE ROTEIRO PARA PLATAFORMAS MULTIMÍDIA

Quando você lê um gibi ou vê um filme fica tão envolvido com a narrativa que sente vontade de criar sua própria obra, personagens e Narrativas? Então se prepare para aprender com profissionais baianos como escrever histórias de forma criativa em um curso completo e gratuito voltado para o mercado nacional de ficção.

Focado em Games, HQs e Cinema, as Oficinas de Roteiro para Plataformas Multimídia formarão uma turma de escritores capacitados na produção transmidiática, ou seja, de histórias que funcionem em diversas mídias, em conjunto ou independentemente. As aulas serão um misto de exposição de conteúdos e atividades práticas que deverão culminar em pelo menos um roteiro – texto para elaboração de produtos midiáticos - por aluno. Dessa forma, aqueles que participarem já poderão publicar seus primeiros trabalhos, inscrevê-los em editais ou captarem recursos de iniciativa privada, dando seus primeiros passos no universo profissional da ficção.

 A carga horária será de 92 horas-aula (20 horas de Introdução à Narrativa e 24 horas para cada uma das mídias), iniciando-se no dia 2 de setembro de 2013. Os encontros durarão 2 horas, às segundas, quartas e sextas, no período de 19h a 21h, na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. O curso é introdutório, sendo recomendado para iniciantes e os vinte (20) alunos selecionados terão direito a apostilas dos cursos para fotocópia e em arquivo digital, além de certificados de conclusão de curso.

 Para se inscrever basta baixar e preencher o formulário encontrado no blog  Criação de Histórias e enviar até dia 22 de agosto para o email criacaodehistorias@gmail.com. O Regulamento para participar das oficinas e informações sobre professores e ementas dos cursos também se encontram no link e na página do facebook.

 As Oficinas de Roteiro para Plataformas Multimídia  ocorrem em segunda edição e são patrocinadas pelo Fundo de Cultura da Bahia através do edital de Demanda Espontânea 2013. 

O projeto é apoiado pela Faculdade de Comunicação da UFBa e é uma atividade de extensão realizada e oferecida pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas em parceria com o produtor cultural Rafael Raña, o roteirista Marcelo Lima e o pesquisador João Araújo.

O Quê: Inscrição para as Oficinas de Roteiro para Plataformas Multimídia
Quando: Até 22 de agosto de 2013
Onde: Inscrições no blog https://criacaodehistorias.wordpress.com/
Quanto: Gratuito
Contatos: 
criacaodehistorias@gmail.com
(71) 8763 9662 [Rafael Raña]

DOIS LANÇAMENTOS DE PESO DA 2ª JORNADAS INTERNACIONAIS DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS


O livro "Os Pioneiros no Estudo de Quadrinhos no Brasil" estará sendo lançamento irá na abertura das 2as Jornadas Internacionais de Histórias em Quadrinhos, congresso que será realizado na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) entre os dias 20 e 23 deste mês. A sessão de autógrafos está marcada para o próximo dia 20 de agosto, uma terça-feira, às 18h, no teatro Paulo Emílio (prédio de Jornalismo da ECA-USP).



Na ocasião, também está sendo lançado o livro Histórias em Quadrinhos e práticas Educativas: O Trabalho com Universos Ficcionais e Fanzines. (Editora Criativo, SP, 2013). O volume foi organizado pelos pesquisadores educadores Elydio Santos Neto e Marta Regina da Silva e inclui meu artigo "Universos Ficcionais, Histórias em Quadrinhos e Processo Criativo", além de outros artigos seminais de feras da pesquisa e da criação de HQs: Gabriel Lyra ChavesMatheus MouraHenrique Magalhães, Edgard Guimarães, Gazy Andraus, Elydio Santos Neto, Marta Regina da Silva e Rafael Felix Pelvini.


Júri internacional escolhe melhores obras do Salão de Humor neste sábado


Escolher os vencedores do 40º Salão Internacional de Humor de Piracicaba é a tarefa da comissão julgadora, que se reúne neste sábado (17), no Engenho Central. Nomes nacionais e internacionais integram o júri de premiação, responsável pela análise das 442 obras nas categorias cartum, caricatura, charge e tiras/hqs. O anúncio dos premiados ocorre em 24 de agosto, quando serão entregues R$ 47 mil aos primeiros colocados.

Dois presidentes da Feco (Federação das Organizações dos Cartunistas) estão entre os avaliadores: o francês Carlos Brito e a argentina radicada na Alemanha Marlene Pohle, que já esteve no júri do Salão em outras três ocasiões. Há ainda o português António Moreira Antunes, que atuou como presidente do júri do World Press Cartoon.

Um dos fundadores de O Pasquim, Zélio Alves Pinto está entre os brasileiros confirmados. Ele integrou o júri do Salão em 1974, data de criação da mostra. Zélio avalia as obras ao lado de Ciça Alves Pinto, que atuou como colaboradora de O Pasquim nas primeira e na segunda fases. Completam a comissão o paulistano Roberto Negreiros, um dos maiores ilustradores brasileiros, e o historiador, caricaturista e pesquisador Luciano Magno.

O melhor trabalho nas categorias cartum, caricatura, charge, tiras/histórias em quadrinhos e intolerância será contemplado com R$ 5 mil. E o melhor entre os premiados fica com o Grande Prêmio Salão de Humor de Piracicaba – Zélio de Ouro, no valor de R$ 10 mil. O Salão conta com o Prêmio Aquisitivo Câmara de Vereadores (R$ 3.131,11), exclusivo para a categoria Caricatura, e com o Prêmio Júri Popular Alceu Marozi Righetto (R$ 5.000), com escolha por meio de votação pública na internet, além do Prêmio Temático Futebol (R$ 5 mil) e o Prêmio Saúde Unimed (R$ 3 mil).

Este ano, 966 artistas de 64 países enviaram suas obras ao Salão. Entre os dias 3 e 4 de agosto, elas passaram por análise do júri de seleção: os cartunistas Pryscila Vieira, Natália Forcat, Gilmar, Lucas Leibholz e Paulo Branco, o ilustrador Rafael de Latorre e o professor Celso Figueiredo Neto.

QUATRO DÉCADAS – Realizado pela Prefeitura do Município de Piracicaba, por meio da Secretaria da Ação Cultural e do CEDHU Piracicaba (Centro Nacional de Humor Gráfico), o Salão de Humor foi criado por jornalistas e intelectuais com o apoio de Millôr Fernandes, Jaguar, Fortuna, Henfil, Ziraldo, Zélio e Paulo Francis, à época os responsáveis pelo irreverente jornal O Pasquim. Desde a sua criação, o evento tornou-se vitrine para grandes profissionais do cartunismo e humor como Laerte Coutinho, Angeli, Glauco Villas Boas e Alcy Linares.

A mostra principal fica em cartaz até 20 de outubro, com 142 cartuns, 97 caricaturas, 74 charges, 73 tiras/HQs e 56 trabalhos sobre futebol. Outras 29 mostras paralelas serão realizadas, além de quatro workshops, três debates, lançamento de livros, espetáculos de teatro, a 2a Caminhada com Humor, o 3º Concurso de Microcontos de Humor e o Festival Paulista de Circo. A programação inclui ainda o 11o Salãozinho de Humor.

Comissão de premiação

Zélio Alves Pinto – Jornalista, pintor, caricaturista e ilustrador. É um dos fundadores de O Pasquim. Esteve no grupo que incentivou o primeiro Salão de Humor de Piracicaba. Fundou o Salão Internacional de Humor Gráfico das Cataratas do Iguaçu, no Paraná.

Ciça Alves Pinto – Foi colaboradora de O Pasquim nas primeira e na segunda fases e por 20 anos publicou suas tiras em grandes jornais brasileiros e do exterior. Lançou 22 livros, entre poesias, quadrinhos e infanto-juvenis. Diariamente publica a tira Pato, no Jornal do Brasil.

Marlene Pohle – Argentina radicada na Alemanha, é vice-presidente da Feco (Federação das Organizações dos Cartunistas). Conquistou prêmios na Espanha, França, Itália, Holanda, Alemanha e Luxemburgo. Ilustra livros de línguas estrangeiras e realizou exposições na Europa, Turquia e Argentina.

Carlos Brito – Nascido em Lisboa, mudou-se para Paris por questões politico-militares. Vice-presidente da Feco (Federação das Organizações dos Cartunistas), atua na imprensa como profissional de desenho desde 1980. Participou de júris na Grécia, Portugal, Alemanha, Brasil e Dinamarca.

António Moreira Antunes – O artista português foi presidente do júri do World Press Cartoon desde a sua fundação. Em Lisboa, é colaborador do semanário O Expresso. Recebeu prêmios nos salões de humor no Canadá, França, Suécia e Itália e expôs no Rio de Janeiro, Brasília, Madri, Paris, Barcelona, entre outros.

Roberto Negreiros – Considerado um dos maiores ilustradores brasileiros de todos os tempos. É colaborador constante das revistas Veja, Playboy, VIP e Piauí, além de diversos livros infanto-juvenis das editoras Globo, Saraiva, Moderna e Ática. Em 2006 recebeu o Prêmio Esso de Jornalismo em Criação Gráfica – Categoria Revista.

Luciano Magno – Doutor em história social da cultura, é autor do livro História da Caricatura Brasileira, classificado pelo jornal O Globo como uma das melhores obras de 2012. Idealizador e curador do 1º Festival de Humor Gráfico, realizado em 11 espaços culturais no Rio de Janeiro. É ainda editor e coordenador editorial da Gala Edições de Arte.



Informação repassada pela

Assessoria de imprensa do 40º Salão Internacional de Humor de Piracicaba
Marcela Delphino | Rodrigo Alves | Rafael Bitencourt
(19) 9645-0009  | (19) 9147-5733 |  (19) 3403-2609

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Memorial da História em Quadrinhos da Paraíba

A História em Quadrinhos da Paraíba já tem uma boa trajetória de criação e produção, levando algumas gerações de autores a se notabilizar não só no estado, mas em nível nacional e mesmo internacional. Desde sua primeira publicação, com As aventuras do Flama, por Deodato Borges, em 1963, os quadrinhos paraibanos já demonstraram sua força com o protagonismo de seus autores, que não esperaram a improvável abertura de mercado para suas produções e se aventuraram na autoedição.
O primeiro personagem surgiu em revista própria, derivada do programa radiofônico comandado por Deodato Borges em Campina Grande, mas que atingia todo o estado. A esse seguiram Bat-Madame, de Luzardo Alves e Anco Márcio; Cuca, de Assis Vale; Adub, o camelo, de Juca e Marcos Tavares; Shangai, de Richard Muniz; Planeta Maluco, de Deodato Borges; As Cobras, de Marcos Nicolau; O conde, de Tônio; Welta, de Emir Ribeiro; Maria, de Henrique Magalhães e tantos outros que vieram na onda proporcionada pela criação de suplementos dominicais de quadrinhos, lançados pelos principais jornais da capital.
Essa fase inicial foi registrada no trabalho de conclusão do Curso de Comunicação Social da UFPB, por Henrique Magalhães em 1983 e lançado em livro com o título A incrível história dos quadrinhos – 20 anos de HQ da Paraíba. Muitos autores surgiram nesse período, favorecidos pelo incentivo de editores como Deodato Borges, Antônio Barreto Neto, Marcos Tenório e Vilma Wanda, que viam nos quadrinhos em broto, feitos muitas vezes por crianças e adolescentes, o potencial criativo para uma produção artística de relevância.
Apesar de certo esmorecimento na produção das décadas de 1980 e 1990, novos autores se destacaram, a exemplo de Cristovam Tadeu, Deodato Filho, Shiko, e mais recentemente o grupo Made in PB, o Coletivo WC, Lailton Silva e Jailson Barros, que lançam suas próprias publicações impressas e na internet. A qualidade editorial se aperfeiçoa com as novas tecnologias de impressão e comunicação, abrindo a possibilidade de um fluxo de produção contínuo.
Toda essa história rica em criatividade e empreendedorismo é o que o Memorial da História em Quadrinhos da Paraíba, hospedado na internet no domíniowww.memorialhqpb.org, busca resgatar, registrar, e servir de banco de dados para pesquisas ou prazer da informação. Nosso objetivo é também a promoção e o incentivo aos novos quadrinistas, que não cessam de brotar no estado.
Henrique Magalhães
Publicado no jornal A União, João Pessoa, 13 de agosto de 2013, 2o Caderno, p.7.
RETIRADO DO PEDRAS NO CHARCO

Quadrinhos independentes na rede

A internet é uma verdadeira arca de informação. Tudo que se procura nela, literalmente, pode ser encontrado. Para músicos, ao mesmo tempo que pode ter se tornado um vilão, também virou uma alternativa ao monopólio das gravadoras. No mundo dos quadrinhos, isto não é diferente.
Da mesma forma que na indústria fonográfica, do cinema e outras mais, a pirataria de histórias em quadrinhos está ali, mas o espaço, ainda, pode ser utilizado para revelar novos artistas. Existem sites dedicados a disponibilizar quadrinhos autorais e/ou independentes. Estas opções podem ser pagas ou gratuitas, o que é mais comum, especialmente para quem está começando.
Indcom
Artistas de diversas localidades do Brasil se juntaram para criar um portal de quadrinhos independentes, notícias relacionadas, contos e mais. Funcionando desde a segunda metade do mês de agosto de 2012, o site/blog Indcom (indcom.wordpress.com) é uma opção para fãs de Hqs de todo o Brasil.
A página recebe colaboração de diversos artistas do País que podem ou não estar inseridos no mercado profissional das comics. Não há uma regularidade nas atualizações, mas há um acervo capaz de entreter por tempo suficiente o leitor disposto a conhecer o quadrinho independente nacional. Ali estão publicadas revistas digitais de gêneros, formatos e tamanhos variáveis, além de tirinhas. As histórias costumam ter a partir de cinco páginas, mas o site não exige formato padrão para suas publicações. Quem quiser divulgar algum material, basta fazer contato pelo e-mail (indcomics@yahoo.com.br) ou pela fanpage no facebook (fb.com/indcomics).
Outro ponto de destaque para o portal é a publicação de contos de artistas independentes. Ainda há notícias, sempre relacionadas ao tema central do site, que são as Hqs.
Objetivo
O Indcom tem em seu nome a origem das palavras inglesas Independent Comics, ou quadrinhos independentes. O objetivo era criar um local de entretenimento completo, onde o leitor pudesse ler quadrinhos, notícias e contos e divulgar, também, seus materiais, tudo sem ter que ir para outro site.
Este site/blog existe para quem quer um local para publicar suas histórias na web, de maneira fácil e rápida.
Apesar do curto período de criação, o portal já conta com inúmeros colaboradores, tanto em contos como em histórias em quadrinhos e tirinhas. O site não tem equipe fixa, mas tem como atual administrador o farmacêutico (e nas horas vagas, roteirista de quadrinhos) Milton Rafael.
Blue
Comics
Outra empresa que aproveita a internet para divulgar o seu trabalho é a Blue Comics. A editora de fanzines já apareceu algumas vezes nesta coluna, mas como uma de suas propostas e levar quadrinhos para todos, vale mais uma participação por aqui.
A proposta da Blue (bluecomicseditora.com) é de criar um universo integrado para seus personagens, assim como faz as grandes editoras norte-americanas (Marvel e DC Comics). Para este universo, a editora apresenta histórias de heróis, no padrão da terra do Tio Sam, mas sem aquela preocupação de estereotipá-los com a bandeira do Brasil, como acontece em muitos casos.
Outro selo que esta apresenta é sua linha de mangás. A editora disponibiliza tanto quadrinhos gratuitos quanto histórias pagas, mas o preço é bem pequenininho. Vale a pena.

LEIA MAIS, CLICANDO AQUI!
GOSTOU? SAIBA MAIS, CLICANDO AQUI!

LANÇAMENTO DE FANZINES PELA ATOMIC BOOCKS

Leiam o release!

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Quadrinhos do Super-Homem mostram trajetória do herói no jornalismo


Aos 75 anos de lançamento do icônico personagem Super-Homem, mais um filme sobre ele chega aos cinemas: “Homem de Aço”. A produção enfoca seu lado alienígena, mas há também um lado jornalístico a notar, resgatando a tradição que vem desde a primeira história publicada em quadrinhos.

A personagem Lois Lane, seu par romântico no filme, é a que exerce para valer o papel de jornalista e repórter, incluindo com dilemas éticos sobre revelar informações delicadas. Há uma função aventureira, que a permite investigar uma exploração no Ártico e ter contato com o personagem. “E essa foi mesmo a praxe”, diz Waldomiro Vergueiro, professor especializado em quadrinhos da Universidade de São Paulo.  

“No início, o Clark Kent [nome “civil” do Super-Homem] atuava bastante como repórter investigativo. Aquele que ia buscar, descobrir furos, o que ninguém sabe. Depois, ao longo das décadas, esse papel foi passando para Lois Lane, que sempre se destacou por isso”, conta Vergueiro. A mudança é visível, tanto que no novo filme há só uma breve menção à função jornalista do super-herói.

LEIA O TEXTO COMPLETO DE MAURÍCIO KANNO, CLICANDO AQUI!

João Marcos autografa '20.000 Léguas Submarinas em Quadrinhos' em Belo Horizonte



Considerado um dos pais da ficção científica, Júlio Verne apresentava em suas obras elementos à frente da sociedade do século XIX, como aparelhos complexos utilizados em viagens espaciais, ao centro da Terra ou ao fundo do mar. Com várias adaptações para o cinema, o romance \'20.000 Léguas Submarinas\' é considerado uma das grandes obras do escritor francês. Agora, com roteiro de João Marcos e desenhos de Will, esse clássico da literatura ganha uma versão muito bacana no novo álbum nacional da Editora Nemo: 20.000 Léguas Submarinas em Quadrinhos. 

Um monstro aterroriza os sete mares. As nações temem ter seus navios naufragados, e a marinha norte-americana decide declarar guerra à misteriosa criatura. Especialista nos oceanos, o Professor Aronnax é então convidado a participar da expedição de caça ao suposto monstro. Durante um embate, o estudioso, seu fiel assistente Conselho e o destemido arpoador Ned Land são arremessados ao mar. Tem início uma aventura na qual eles descobrem que aquilo que todos imaginavam ser um animal, é na verdade de um submarino superavançado: o Náutilus. 

Após serem capturados pela tripulação da extraordinária máquina, os três náufragos são apresentados a seu comandante: o enigmático Capitão Nemo. A partir daí, enquanto Ned Land só pensa num jeito de escapar e voltar à superfície, o Professor Aronnax aproveita a oportunidade de desvendar os segredos do fundo do mar. Mas, sem dúvida, o mistério mais profundo que encontrarão nessa aventura é o próprio Capitão Nemo: que motivo o teria levado a se isolar do mundo e a renegar a chamada “civilização”? 

Com roteirização do experiente quadrinista João Marcos, a HQ segue de perto a história escrita por Julio Verne em 1869. E a cada página vamos mergulhando mais na aventura e no mistério, levados pelos desenhos dinâmicos e iluminados produzidos pelo talentoso Will. Da linha “Quadrinhos para todos” da Editora Nemo, de álbuns voltados a leitores de todas as idades, essa adaptação em HQ do grande clássico da ficção científica é promessa de muita aventura em imagens arrebatadoras. 

Confira aqui capítulo inicial do álbum. 

Sobre o autor – Júlio Verne nasceu na cidade de Nantes na França em 1828. Foi um dos criadores do gênero literário conhecido como ficção científica. Suas histórias, repletas de imaginação e viagens extraordinárias, antecipam vários inventos que se tornaram reais anos ou décadas depois, como o avião, a televisão, o ar-condicionado, a utilização da luz e da água do mar para gerar energia, entre outros. É autor de vários clássicos da literatura mundial, sendo 20.000 Léguas Submarinas considerado por muitos sua obra-prima. 


Sobre o roteirista – João Marcos nasceu na cidade mineira de Ipatinga em 1974. Mestre em Artes Visuais pela UFMG, atua como professor, ilustrador e chargista, além de roteirista da Turma da Mônica. Faz pesquisas sobre o uso das histórias em quadrinhos na Educação, trabalho que já lhe rendeu o Troféu HQ Mix e resultou no livro Traça Traço Quadro a Quadro. É autor de vários álbuns para crianças, entre eles, O mundo Mendelévio e o Platena Telúria e também Histórias tão pequenas de nós dois. 

Sobre o desenhista – Will nasceu na cidade de São Paulo em 1961. É ilustrador, designer gráfico e quadrinista com HQs em diversas publicações. Ganhou três troféus HQ Mix, dois em 2007 por sua participação nas revistas Subterrâneo e A mosca no copo de vidro, e um em 2012 pelo álbum O louco, a Caixa e o Homem. Entre suas criações mais conhecidas estão os personagens Sideralman e Demetrius Dante. Pela Editora Nemo, desenhou os álbuns da série Mitos Recriado em Quadrinhos: Ciranda Coraci e O Senhor das Histórias. 


Título: 20.000 Léguas Submarinas em Quadrinhos Roteiro: João Marcos, a partir de Júlio Verne 
Desenhos: Will 
Número de páginas: 64 
Formato: 20 x 28 cm 
Preço: R$ 19,80 
ISBN: 978-85-64823-20-4 

Sessão de autógrafos em Belo Horizonte 

Data: quinta-feira, 15 de agosto, às 14h 
Local: Serraria Souza Pinto - Estande do Grupo Autêntica (nº 58) 
Avenida Assis Chateaubriand, 809 - Belo Horizonte (MG) 

2º Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais 

Data: 9 a 18 de agosto 
Horário: dias úteis, das 8h30 às 21h; sábado e domingo, das 10h às 21h 
Local: Serraria Souza Pinto 
Avenida Assis Chateaubriand, 809 - Belo Horizonte (MG) 
Site do evento: http://www.salaodolivro.com.br/


PUBLICADO NO INCORPORATIVA

Histórias em quadrinhos na comunicação interna

Texto muito interessante sobre quadrinhos institucionais. Vale a leitura!

DIÁRIO DA MANHÃ
ALEXANDRE NAGADO
Quadrinhos institucionais são peças narrativas encomendadas por uma instituição.
Quadrinhos institucionais são peças narrativas encomendadas por uma instituição para divulgar suas mensagens, sejam elas voltadas ao público geral ou ao público interno, ou seja, seus funcionários.Quando um informativo institucional passa a utilizar em seu conteúdo histórias em quadrinhos ou tirinhas, esta costuma ser a parte mais lida do impresso. Falando dessa comunicação interna, grandes instituições utilizam-se, por exemplo, de cartazes e boletins – normalmente com ilustrações, gráficos e fotografias para atingir melhor seus objetivos. Mas em muitos casos, uma imagem não basta, pois é preciso desenvolver conceitos e passar muitas informações de maneira eficiente, sem recorrer a manuais técnicos que acabam esquecidos pelo funcionário.
Nesse contexto, as histórias em quadrinhos, por sua combinação harmoniosa de textos e imagens sequenciadas, ganham grande importância.
Tendo trabalhado com esse tipo de prestação de serviço há mais de duas décadas, já atendi diversos clientes produzindo campanhas internas e algumas externas. Os objetivos sempre foram atingidos e alguns até surpreenderam, provando que o uso dos quadrinhos como ferramenta de comunicação vai muito além do entretenimento.
GOSTOU? CONTINUE LENDO, CLICANDO AQUI!

Como criar suas próprias histórias em quadrinhos no ToonDo


Com programa ToonDoo você pode criar suas próprias histórias em quadrinhos. O site conta com muitas imagens e configurações simples. Siga nosso passo a passo e faça sua própria tirinha. 

Clique aqui e veja como é fácil!

PROTONINHAS LANÇA ALMANAQUE PARA CRIANÇAS

O projeto ProToninhas, em Pontal do Paraná, lançou uma revista em quadrinhos que busca envolver as crianças na proteção das toninhas. 

O projeto é realizado pela Associação MarBrasil em parceria com o Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná (CEM/UFPR), 

O Almanaque Toninhas traz histórias em quadrinhos que apresentam, de forma lúdica, o cotidiano das toninhas e as ameaças para a conservação do ambiente marinho.

As histórias integram quatro personagens-mascotes: a Toninha, uma espécie de golfinho ameaçada de extinção; a Antonia, uma menina filha de pescador artesanal paranaense; o Sotalício, um boto-cinza velhinho; e a Quequê, uma tartaruga-verde fêmea, descolada e vegetariana.

O material foi distribuído no “Dia da Toninha”, um encontro que aconteceu dia 8 de agosto na Ilha das Peças. Além deste dia, kits educativos serão entregues a diversas escolas municipais do litoral do Paraná.

PUBLICADO NO CORREIO DO LITORAL

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Curso ensina a história dos quadrinhos



"A HQ, como qualquer forma de manifestação artística, permite fazer uma leitura da sociedade em que vivemos".
É com essa afirmação que André Luís Sanchez Cezaretto, mestre em história social e especialista em histórias em quadrinhos, justifica a importância do curso De quadro a quadro: uma história das HQs, que ministra de hoje a sábado,  na Caixa Cultural.
As aulas fazem um panorama histórico que aborda desde as origens, com a caricatura, a charge e a tira, até suas características na atualidade.
"O objetivo é fazer uma trajetória das histórias em quadrinhos no mundo e no Brasil, até o século 21", afirma o professor.  A ideia é mostrar que as HQ permitem um diálogo entre suas histórias, o público leitor e a vida social, indo além do simples entretenimento. 
 
Histórias adultas - Os estudos acadêmicos passaram a se interessar pelas HQs na década de 60. A publicação de obras adultas, nos anos 80, como Contrato com Deus, de Will Eisner, e Presente, de Alan Moore, contribuiu para que as histórias em quadrinhos fossem vistas com uma maior profundidade.  

"Antes, a história em quadrinhos era considerada  voltada apenas para  crianças. Sua linguagem era vista como pobre e as obras apenas como entretenimento", comenta.
 
HQs no Brasil - Existe uma íntima ligação entre a imprensa e os artistas que produzem gibis no Brasil.

"Muitos artistas, antes de terem suas próprias histórias publicadas, trabalharam na imprensa. O ritmo diário da imprensa dá um subsídio muito grande a eles", explica André. Chargistas como Angeli, Laerte, Henfil e Glauco são exemplos.
Embriões das HQs no país, as charges são permeadas por elementos de crítica e humor. "A produção de charges, desde a década de 1860, tem como elemento o humor e a crítica social. A charge é usada como forma de combate", explica.
Efetivamente, a produção brasileira se deu com maior significância em 1960, com os gibis de Maurício de Souza e as revistas de Ziraldo. "Aconteceram tentativas anteriores, mas havia uma dificuldade dos autores nacionais em conseguirem destaque. Era algo muito raro, tudo era importado", relembra André.
A  premissa do curso é  de que há uma profunda relação entre as HQs e o período em que foram produzidas. As aulas também vão abordar, além da trajetória dos quadrinhos,  a análise das linguagens específicas, desenvolvidas pelos quadrinistas  para a criação das narrativas.

Serviço

O quê: De quadro a quadro: uma história das HQs
Quando: Desta terça-feira, 6, a sexta, das 19h às 21h, sáb, das 10h às 12h
Onde: Caixa Cultural Salvador, Rua Carlos Gomes, 57, Centro
Quanto: As inscrições são 1 kg  de alimento não perecível
Informações: (71) 3421-4400

PUBLICADO NA TARDE