quinta-feira, 30 de abril de 2009

CEM MIL VISITAS


Pessoal, eu levei um susto, porque não estava dando muita atenção ao contador estes dias, mas agora cheguei do trabalho e me deparei com mais de CEM MIL ACESSOS, em pouco mais de dois anos de blog!!!

Obrigado a todos que nos visitam e espero que continuem nos visitando para que possamos completar 200 mil!

Lutem pela renovação dos quadrinhos brasileiros


Um dos grandes dilemas hoje no Brasil é a melhoria da educação de qualidade para todas classes sociais, a exemplo dos outros países desenvolvidos, o que de fato atrapalha o desenvolvimento do nosso país, assim como o Brasil deixou o quadrinhos nacional abandonado, hoje o mesmo acontece na educação.

Da para fazer diversas comparações com a educação e os quadrinhos brasileiros se de um lado a uma falta total de apoio, de outro está por um fio, às escolas do jeito que estão se parecem mais um barril cheio de pólvora prestes explodir.


Os quadrinhos brasileiros se dependessem de patrocínio ou de boa vontade do governo já tinham se extinguido há muito tempo como os dinossauros, tudo de bom que foi feito por esse país pode ir por ralo da história.


Há também uma miopia dos quadrinistas que só vem seu próprio trabalho não se interessam um conhecer o que é feito em outros estados do Brasil, enfim do jeito que as coisas andam é muito difícil uma grande industria de criação de quadrinhos se auto sustentar.


No Brasil vive-se a lei das selvas, infelizmente quem está em uma situação melhor não enxerga a dificuldade dos outros comparando a educação e os quadrinhos. Se um está mal, o outro está em estado grave, o que eu quero dizer com isso é que, se a educação de um país vai mal as outras mazelas são influencia direta, o potencial de país criativo só se tornará possível quando tiverem condições mínimas para que isso aconteça.


Não podemos esperar que as coisas ou oportunidades caiam do céu, precisamos trabalhar todos os dias incansavelmente para que aquilo que esperamos aconteça de fato. Não podemos esquecer que não temos livros teóricos sobre quadrinhos suficientes nas bibliotecas públicas brasileiras, talvez nem nas universidades não há, então como os pesquisadores ou amantes da arte seqüencial vamos nos aprimorar em conhecimento sobre a nona arte.


Se não a espaço para os desenhistas fazerem seu trabalho, não há livros falando sobre hqs, o material de desenho é caro, e ainda por cima não somos valorizados nem como artistas, como a própria sociedade pode exigir que não vêem nosso trabalho?


Ainda temos o péssimo hábito de subestimar tudo que vem do exterior produzido nos E.U.A, Japão ou Europa. Nessa desorganização brasileira ainda assim alguns quadrinistas conseguem fazer algum trabalho prestigiado, não seria melhor que apoiassem a estrutura para que surjam mais talentos de quadrinhos ou outras áreas?


Não abandonem essa luta quadrinistas brasileiros vamos renovar tudo o que já foi feito pelos quadrinhos, incluse, conto com apoio todos os fanzineiros, pesquisadores de quadrinhos, leitores, etc.


Precisamos que os leitores, críticos e professores de arte estejam todos convocados para renovação do quadrinho nacional.


*Mauro Cesar Bandeira é professor, formado em Artes Plásticas, Habilitação em Licenciatura, do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília.


Fonte: http://zinebrasil.wordpress.com/

Virada Cultural e lançamentos na HQMix Livraria


Este sábado, dia 2 de maio, é dia de lançamentos e da Virada Cultural na Livraria HQMix.

A noite de lançamentos começa às 19h30, com o evento de lançamento de Os Brasileiros, de André Toral. Publicado pela Conrad, o álbum narra em sete histórias o conflito entre os índios e colonos portugueses na época do Brasil Colônia. Os Brasileiros tem 88 páginas no formato 21 x 27 cm e custa R$ 38,00.

Em seguida, às 21h30, serão lançadas a HQ independente Tempestade Cerebral #5 e o álbum Caroço no Angu.

Caroço no Angu é uma coletânea de tiras em quadrinhos do cartunista Gilmar, publicadas em vários jornais e revistas do país. Temas relacionados à moda, comportamento, economia, negócios, trabalho, etiqueta e relações adolescentes dão um tom bem-humorado, com histórias curtas e personagens anônimos. O projeto foi realizado com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. O álbum tem 48 páginas no formato 21 x 28 cm e custa R$ 20,00.

Já a quinta edição de Tempestade Cerebral, editada por Alex Mir e produzida por Caio Majado, vem com as estreias de Lorde Kramus, criação de Gil Mendes com arte de Jader Côrrea e Sedna, a Pirata, de Dark Marcos, com desenhos de Laudo e arte-final de Omar Viñole. Há ainda aventuras com a Valkíria e a continuação da saga Corre, Escorpião Corre!, entre outras novidades. Tempestade Cerebral #5 tem 48 páginas no formato americano, capa colorida e custa R$ 4,00.

Além disso, o dia será marcado pelas atividades da Virada Cultural. Entre as atrações promovidas pela livraria, uma oficina de fanzine ministrada por Henrique Koblitz, caricaturas ao vivo, a presença dos artistas Alexandre Santos e Rui Joazeiro fazendo esculturas de personagens de quadrinhos e cinema, além de exposição, oficinas e outros eventos voltados para a Paper Toy Art.

A HQMix Livraria fica na Praça Roosevelt 142, no centro de São Paulo. A entrada é franca.

Fonte: http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=20289

Biografia do criador de Charlie Brown chega ao Brasil


A celebrada - e polêmica - biografia Schulz and Peanuts, do jornalista norte-americano David Michaelis, vai ganhar uma edição brasileira. A responsável pela publicação é a paulistana Seoman.

Charles Monroe Schulz (1922 - 2000) foi um cartunista americano, criador da série Peanuts e dos personagens Charlie Brown e seu cachorro da raça chamado Snoopy, entre outros.

Iniciou a série de desenhos do Snoopy em 2 de outubro de 1950 e os desenhou por mais de 50 anos, até se aposentar em virtude de sua doença, em 14 de dezembro de 1999. Schulz faleceu em 12 de fevereiro de 2000, de ataque cardíaco, com 77 anos.

Lançada originalmente em 2007, Schulz and Peanuts traça um paralelo entre a vida do quadrinhista e as tiras de Charlie Brown e Snoopy. São 670 páginas escritas pelo jornalista David Michaelis. Segundo matéria do New York Times, a família de Schulz aprovou a iniciativa de Michaelis e colaborou com material desde o início - mas não gostou do resultado.

A biografia retrata o cartunista como um homem extremamente melancólico e que estava sempre correndo atrás de várias mulheres. Schulz seria uma versão crescida, e triste, de Charlie Brown. "Acho que ele quis escrever um livro assim, e usou a nossa família", reclama Amy Schulz Johnson, filha do biografado.

Jean Schulz, segunda esposa do autor, diz que o livro "não é um retrato completo. Sparky [apelido do cartunista] era muito mais. Na maior parte do tempo, ele amava rir".

O filho do primeiro casamento, Monte Schulz, é o principal crítico da biografia. Diz que há diversas inconsistências no relato dos fatos e que a publicação é "um absurdo".

O autor Michaelis comenta que é difícil para uma família ver seu pai de forma diferente do que está acostumada. "Este é o homem que encontrei", relatou o autor, assegurando ao NYT que sua versão da história é a correta.

Leia um artigo especial sobre Schulz, publicado no Omelete, clicando aqui.

A previsão é que o livro, que está em processo de tradução, chegue às livrarias brasileiras é no segundo semestre do ano.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Charles_M._Schulz
http://www.universohq.com/quadrinhos/2009/n30042009_06.cfm
http://www.omelete.com.br/quad/100008550/Biografia_do_criador_de_Charlie_Brown_vira_motivo_de_polemica.aspx

10ª Feira HQ: inscrições abertas


O Núcleo de Quadrinhos do Piauí abriu as inscrições para a 10ª Feira HQ, evento de Quadrinhos que acontecerá no mês de setembro e premiará os melhores trabalhos nas seguintes categorias: Melhor História em Quadrinhos; Melhor História em Quadrinhos Estilo Mangá; Melhor Desenho para Quadrinhos; Melhor Roteiro para Quadrinhos; Melhor Ilustração; Melhor Publicação Alternativa; Melhor HQ Infanto- Juvenil; Melhor Ilustração Infanto-Juvenil; e Melhor Cosplay.

Os interessados em participar terão até o dia 31 de agosto para fazerem suas inscrições. Ficha de inscrição e regulamento completo do evento estão disponíveis aqui.

Fonte: http://www.bigorna.net/index.php?secao=noticias&id=1241062611

terça-feira, 28 de abril de 2009

Um logotipo para a Gibiteca


É com muita felicidade que quero anunciar que conseguimos duas coisas importantes neste início de semana. A primeira é uma reivindicação dos nossos alunos que fazem trabalho voluntário: uma blusa de "uniforme" da Gibiteca. Eles trabalham em turnos alternados, uma vez por semana, e queriam uma blusa diferente, para poderem se distinguir dos outros alunos. Pois bem, um empresário local irá patrocinar a blusa, que começará a ser usada ainda neste mês de maio.

A segunda boa notícia é que ganhamos um logotipo exclusivo para a Gibiteca, feito pelo quadrinhista, cartunista e chargista, Bira Dantas. O logotipo usado na nossa blusa e irá representar nossa Gibiteca na cidade. Nosso agradecimento a estas duas maravilhosas pessoas que estão ajudando nossa Gibiteca a crescer cada vez mais!

Gilmar: cartunista e editor


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

O cartunista e ilustrador do Diário, Gilmar, lança no sábado o quarto livro de sua carreira, depois de ser contemplado pelo primeiro Proac (Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo) dedicado exclusivamente a publicações de histórias em quadrinhos (essa categoria ficou conhecida como Proac23).

Caroço no Angu (R$ 20, o preço sugerido), uma coletânea de mais de 190 tiras publicadas em diversos veículos de comunicação nos últimos anos, acabou por ser também o primeiro dos dez livros dos quadrinistas que passaram no concurso, cujo edital foi publicado no ano passado.

O lançamento ocorre a partir das 21h30 na livraria HQ Mix (Praça Roosevelt, 142, São Paulo). "Quero aproveitar o agito da cidade em plena Virada Cultural. É importante porque públicos de todas as idades circulam por aquela região. As famílias saem completas", afirma o cartunista.

O conteúdo do livro contempla diversos momentos e temas que o cartunista vivenciou ao longo da carreira. Tudo por meio das tiras, modalidade de ilustração que mais aprecia. "Gosto de desenvolver vários personagens. Prefiro não me prender a histórias longas e ficar livre para criar em diversas situações", explica.

Essa sua característica versátil, acrescida aos diferentes editoriais em que se envolveu, resultou em diversos tipos divertidos e fáceis de serem encontrados no cotidiano: do casal em que o homem é esmagado por uma mulher dominadora, até colegas de escritório, passando por seus preferidos: adolescentes às voltas com sexualidade e várias outras situações novas.

Quando se inscreveu para concorrer ao Proac23, Gilmar teve de mandar uma prévia da publicação que pretendia. Recorreu ao seu arquivo de trabalhos, selecionou as tiras preferidas e correu para aprontar a papelada necessária. "Essa foi a parte mais trabalhosa. Tive de correr atrás de aspectos burocráticos com os quais não estava acostumado", conta.

Uma vez aprovado - o concurso teve pouco mais de 100 inscritos - e com a metade da verba de R$ 25 mil em mãos, Gilmar sentiu na pele a responsabilidade de viabilizar o produto final (de cerca de 1.000 exemplares), coisa que não foi necessário fazer nos três livros anteriores. Cartuns e Humor - Ócios do Ofício (2002), Para Ler quando o Chefe não Estiver Olhando (2004) e Pau pra Toda Obra (2005) todos tiveram editoras que fizeram todo o trabalho burocrático. "Algumas etapas são bastante estressantes. É uma experiência bastante complexa", afirma.

Como contrapartida do Proac, Gilmar e os outros nove contemplados terão de entregar 200 exemplares de seus livros para o acervo da Secretaria de Cultura, além de ministrar uma oficina de história em quadrinhos com no mínimo oito horas/aula de quadrinhos a preços populares (de até R$ 10).

Fonte: Cultura.dgabc

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Lançamento de Livro sobre HQ - O Mocinho do Brasil


Prof. Kendi Sakamoto, o maior colecionar de HQ do país, edita o livro de autoria do jornalista Gonçalo Junior

Chega às principais livrarias o livro O Mocinho do Brasil - A história de um fenômeno editorial chamado Tex, escrito pelo jornalista Gonçalo Junior e lançado pela Editora Laços. A obra mostra a trajetória de personagem de HQ (História em Quadrinho) em quase 40 anos de publicação ininterrupta no País, depois de passar por quatro selos editoriais.

O livro foi editado e teve o prefácio escrito pelo professor Kendi Sakamoto da Faculdade Anhanguera/Unibero, considerado o maior colecionador de HQ's do Brasil. “Este é um livro de conteúdo jornalístico e crítico cujo propósito é narrar para os fãs de Tex os cinquenta e sete anos de história deste herói dos quadrinhos no Brasil. O personagem, criado por Gian Luigi Bonelli e Aurélio Galleppini, cuja estreia nas bancas da Itália aconteceu em 1948, acumula, em 2008, a posição de um fenômeno no mercado editorial brasileiro, uma vez que circula desde janeiro de 1971”, afirma Kendi Sakamoto na publicação.

"O Mocinho do Brasil - A história de um fenômeno editorial chamado Tex"
Autor: Gonçalo Junior (A Guerra dos Gibis, O Homem-Abril)
Editora: Laços
Formato: 16 x 23 cm
208 páginas
Preço médio: R$ 39,90

Alfapress Comunicações

Pamela Gouveia – (11) 9909-6837

Andrea Vargas – (19) 9606-1516

Central de Atendimento aos Jornalistas

Renata Andrade

Fone: (19) 2136-3505

Pabx: (19) 2136-3500

alfapress@alfapress.com.br

www.alfapress.com.br


Juiz de Fora reunirá charges, cartuns, caricaturas e HQ no 1º Salão de Humor


Guilherme Arêas

Chargistas, cartunistas, caricaturistas e criadores de histórias em quadrinhos podem apresentar suas obras e participar do 1º Salão de Humor de Juiz de Fora, que abre as inscrições no dia 22 de abril. Os artistas poderão concorrer com qualquer técnica e enviar até três obras originais de tema livre no formato mínimo A3 e máximo A4.

As peças serão julgadas por um júri de profissionais indicados pela Funalfa. Os três primeiros colocados na disputa recebem prêmios de R$ 1.500, R$ 1.000 e R$ 800, respectivamente. A organização do concurso não descarta a possibilidade de conceder prêmios a outras obras que se destacarem.

As obras vencedoras serão expostas junto com outras selecionadas pela organização no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM), entre os dias 29 de maio e 14 de junho. A exposição faz parte das comemorações dos 159 anos de Juiz de Fora.

O superintendente da Funalfa, Toninho Dutra, explica que o projeto tem a previsão de ocorrer anualmente e entrar para o calendário de eventos da cidade. Ele revela que o salão ganha boa receptividade, principalmente entre os universitários dos cursos de Comunicação e Artes. "O objetivo do evento é contemplar de alguma maneira todas as manifestações artísticas e culturais nas suas várias formas.

sábado, 25 de abril de 2009

A influência dos heróis na vida das crianças


Super-Homem, Homem-Aranha, Batman. Branca de Neve, Cinderela, Chapeuzinho Vermelho. Os super-heróis dos desenhos e histórias em quadrinhos e os heróis e heroínas dos contos de fadas são muito presentes na vida das crianças, assim como foram na sua infância. Mas, afinal, qual é o poder desses heróis na vida dos pequenos? Um estudo realizado pela fábrica de brinquedos Mattel do Brasil, em parceria com o Instituto GFK Indicator, revela que eles não só influenciam o dia a dia das crianças como são essenciais para a formação da personalidade do seu filho.

Segundo Lidia Aratangy, psicóloga e consultora da pesquisa, é nessa relação da criança com os super-heróis que são plantadas as sementes de valores, como ética, coragem, humildade. “Nos contos de fadas, os heróis são os mais humildes e bondosos da família ou da aldeia. São os que aceitam enfrentar a perigosa tarefa que irá salvar o reino, o rei, o pai”, diz.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores observaram um grupo de meninos de 6 a 10 anos, estimulado a construir uma história de encontro com seu super-homem, com etapas que vão até o momento em que o garoto se transforma em herói. No enredo inventado, não aparece somente o poderoso, mas aquele que tem seus momentos de fraqueza e medos. “Essas fragilidades abrem a brecha para o processo de identificação [da criança com o personagem]. Na maioria das histórias, é o garoto que tira o herói da dificuldade, para então se tornar seu aprendiz”, afirma a especialista.

E os vilões, que seriam o lado do mal da história, valorizam ainda mais a razão de ser do herói. Eles são importantes para que a criança saiba que o mal também existe. “Porém, ao final de uma história, quando os heróis são agraciados ou recompensados, é uma demonstração de que o bem pode triunfar”, diz. E a pesquisa foi além: as crianças que participaram do estudo demonstraram compreender que as características dos vilões são inerentes a qualquer pessoa. Segundo Lidia, as crianças reconhecem seu lado invejoso, ciumento, vaidoso e a capacidade destrutiva de cada um. Ou seja, por meio das histórias, são capazes de entender que somos todos contraditórios.

Se você tem receio de como as lutas entre o bem e o mal que habitam as histórias podem incentivar a violência, saiba que elas são benéficas ao ensinar que até mesmo num conflito é possível ser ético. “O incentivo à violência vem de uma cultura violenta, e de pais que perdem o controle e podem ficar violentos”, afirma Lidia.


O papel dos pais no imaginário infantil

Não se assuste se um dia o seu filho resolver que só vai atender a um chamado seu se você se referir a ele como Batman. “Essa fuga [da realidade], esse exercício da fantasia, é inevitável, faz parte do desenvolvimento humano – e pode ser benéfica. É uma forma de ele se aproximar do ídolo, no processo de identificação”, afirma Lidia.

A presença dos pais, no entanto, é fundamental no mundo imaginário da criança. “Qualquer personagem, real ou imaginário, pode ser positivo ou negativo, dependendo da leitura que se faz. Por isso, é importante a presença dos pais (ou avós) junto da criança, ajudando-a a fazer uma interpretação correta do que vê”, afirma a especialista.

No estudo também foi analisada a visão dos pais sobre o imaginário da criança, e o resultado revelou como as brincadeiras com bonecos representando heróis no contexto da família aproximam filhos e pais, além de ser instrumentos de educação.

E você, também gosta de super-heróis? Há uma explicação para que as salas de cinema de filmes com esses personagens estejam sempre lotadas de adultos. “Continuamos a precisar de heróis pela vida afora. Precisamos que nos reassegurem que existe a possibilidade de vencer o mal. E que ele pode ser combatido eticamente”, diz Lidia.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI69414-15151,00-A+INFLUENCIA+DOS+HEROIS+NA+VIDA+DAS+CRIANCAS.html

Espetáculo de Ziraldo em Sidrolândia


Após percorrer 146 cidades no Brasil, durante três anos, o “Caminhão para Ziraldo”, projeto desenvolvido pela Fundação CSN, fará sua viagem de encerramento e um dos destinos será Sidrolândia, no dia 8 de maio, onde fará duas apresentações.

O projeto “Um Caminhão para Ziraldo”, da Fundação CSN, estará, entre os dias 27 de abril e 22 de maio, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Será a viagem de encerramento do projeto que tem o objetivo de colaborar na construção da cidadania, incentivo à leitura e ampliar o acesso à cultura, por meio do teatro. O projeto tem o patrocínio da CSN, apoio do Ministério da Cultura e parceria das prefeituras locais.

- Com a viagem ao Mato Grosso e ao Mato Grosso do Sul completaremos 13 estados visitados, com apresentações em 146 cidades. Desde 2006, nosso público já superou 250 mil pessoas. O caminhão se transforma em palco e propicia a magia, o sonho e a fantasia do mundo de Ziraldo – explica o coordenador de Artes Cênicas da Fundação CSN, Symão Francisco de Oliveira.

A viagem começa pelo Mato Grosso do Sul, onde serão visitadas dez cidades, e segue depois para o Mato Grosso, também com visitas programadas em dez municípios. As apresentações acontecem em praça pública e a expectativa de público é de 20 mil pessoas nos dois estados.

A parceria com Ziraldo é um marco na história da Fundação CSN. Com um belo espetáculo itinerante de fantasia e humor, o Projeto traz o grande criador brasileiro bem para perto de seu público. São emoções que contam o maravilhoso cotidiano do Menino Maluquinho, o personagem mais famoso do autor.

A estrutura itinerante viaja pelo Brasil em um caminhão planejado exclusivamente para abrigar este universo, que traz a marca pessoal do artista: a assinatura e o traço característico de Ziraldo ilustram toda a arte do caminhão e do palco.

Para fazer a arte ir aonde o povo está, o Projeto conta com uma equipe de jovens, muitos dos quais oriundos de projetos sociais da Fundação CSN, capacitados para Executar todas as funções de um espetáculo: carregar, montar, produzir, iluminar, sonorizar, encenar e dirigir.

Além do teatro, o projeto oferece às crianças mais um produto de extremo valor: cada uma recebe uma revista em quadrinhos, com desenhos do Ziraldo, com as histórias encenadas, mas o capítulo “Direitos e deveres de todo cidadão”, parte integrante do Estatuto da Criança e do Adolescente.

- Ao estimular a prática da arte, o hábito da leitura e da escrita, contribuir para a melhoria da educação do nosso povo, o projeto ainda ajuda a formar verdadeiros cidadãos. Com “Um caminhão para Ziraldo”, a Fundação CSN abre caminho e pede passagem para dar a maior força ao desenvolvimento cultural das comunidades brasileiras – avalia Symão Francisco.

Fonte: http://www.maracaju.news.com.br/ultimasnoticias/view.htm?id=116170

sexta-feira, 24 de abril de 2009

VII Festival de Quadrinhos na Bolívia

Acontece em La Paz, entre os dias 3 e 10 de maio, o 7º Encontro Internacional de Quadrinhos da Bolívia. O evento acontece majoritariamente no Museu Nacional de Arte, entre outros centros culturais da capital que abrigarão exposições, atividades e palestras.

Além dos artistas bolivianos, o festival conta com a presença de convidados de todo o mundo. Eloar Guazzelli (Brasil), Ricardo Liniers (Argentina), Javier Olivares (Espanha) Mike Diana (EUA), Alejandro Amezquita (Peru) e Juan Sáenz Valiente (Argentina) são alguns dos nomes confirmados.

Entre as atividades, estão programados o 1º Concurso de HQ Jovem, o 3º Salão de Arte Fantástica, o 2º Salão de Mangá e um concurso de cosplay. As inscrições estão abertas.

Fonte: http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=20202&op=4

Estudantes publicam HQ sobre Viagem ao Reino Unido


As estudantes Daiana Siqueira - da escola Técnica Cônego Jose Bento, Jacareí - São Paulo – e Cintya Ogliari - do Colégio Militar de Brasília - ambas de 18 anos, viajaram para Londres após vencerem, respectivamente, as categorias Trabalho Escrito e Desenho do concurso “Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento”, promovido pela Unesco. A viagem foi um prêmio concedido pelo programa “De Olho no Clima” do British Council que tem por objetivo disseminar o conhecimento e desenvolver atividades sobre o tema mudanças climáticas no Brasil. Ao voltarem da viagem, elas se reuniram e desenvolveram uma história em quadrinhos de 13 paginas, toda em cores, intitulada” A Viagem: Do Brasil ao Reino Unido” contando os melhores momentos vividos durante a viagem.

Importante destacar que Daiana e Cyntia disputaram a viagem com aproximadamente 200 estudantes do ensino médio de todo o país e somente os primeiros colocados de cada categoria do concurso ‘Ciência pela Paz e Desenvolvimento’, puderam viajar. Lá, elas visitaram instituições ligadas à ciência e ao meio ambiente e mantiveram contato com a cultura britânica. Ao regressarem do Reino Unido, as duas jovens passaram a integrar o programa “De Olho no Clima”, levando a outros jovens - por meio da participação em atividades relacionadas às artes - informação e estímulo à ação sobre as mudanças climáticas.

Clique aqui para conferir a HQ completa em formato pdf.

Fonte: Zine Brasil

Cientistas desvendam segredo de teias do Homem-Aranha


As teias que ajudam o Homem-Aranha a saltar pelos prédios de Nova York poderiam ter uma explicação científica, segundo disse um estudo elaborado por cientistas alemães e publicado hoje pela revista "Science".

De acordo com a pesquisa realizada por institutos alemães, a aplicação de pequenas quantidades de alguns metais nas teias - que já são mais resistentes que o aço - fez com que elas ficassem mais fortes, como as utilizadas pelo super-herói das histórias em quadrinhos.

Os pesquisadores afirmaram que este processo pode ser útil na elaboração de tecidos artificiais de ossos e tendões.

"Observamos que quando pequenas quantidades de metais e outras impurezas se incorporam às estruturas de proteínas de várias partes do corpo, como mandíbulas e unhas, estas se tornam materiais surpreendentemente rígidos", disse Seung-Mo Lee, que liderou a equipe de pesquisa.

A "Science" informou que Lee e sua equipe utilizaram um processo conhecido como "deposição de camadas atômicas" para simular o que já ocorre na natureza, cobrindo teias de aranha - baseadas em proteínas - com metais como zinco, titânio ou alumínio.

Os metais formaram uma camada que se ajustou à superfície das fibras e houve uma reação com a estrutura da proteína. Segundo a revista, este processo aumentou consideravelmente a quantidade de esforço necessária para romper as teias.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3721701-EI238,00.html

quarta-feira, 22 de abril de 2009

3º Coxias de Caxias neste sábado


Não perca neste sábado, dia 25 de abril, a terceira edição do evento Coxias de Caxias. A mostra traz mais de uma centena de publicações representativas dos quadrinhos mundiais, disponíveis para que o público folheie e aprecie. O evento começa às 9 horas, na livraria O Livreiro (Rua Garibaldi, 964, no centro de Caxias do Sul), com entrada franca.

Na parte da manhã, serão distribuídos exemplares da revista infantil gratuita do Sesinho.

Nesta edição, dois artistas de Caxias do Sul, Zambi e Tanus Eduardo Gemelli, estarão presentes realizando HQs ao vivo. Três visitantes de Porto Alegre comparecem ao evento: o cartunista Santiago (Neltair Abreu) autografa seus livros pela L&PM, apresenta seus pôsteres publicados de forma independente e conversa com os presentes; Carlos Ferreira, que lança um curso de cinema e quadrinhos no evento, e fala da sua experiência no álbum Irmãos Grimm em Quadrinhos (Desiderata); e Lehgau-Z Qarvalho, que criou uma nova forma de divulgação dos quadrinhos (que será repetida na véspera do Coxias).

Um painel do álbum Prontuário 666, do caxiense Samuel Casal, também estará montado para os visitantes.

Ao meio-dia, o evento muda de espaço – segue para a Sketch, no Shopping Prataviera, a cerca de 70 metros da livraria. Lá, será exibido o filme A Vida é um Risco, sobre o quadrinhista e cartunista goiano Jorge Braga, e a inauguração do 1º painel de mais uma etapa da Mostra Mundial de Quadrinhos. Cada painel conta com reproduções de nove páginas exemplares de quadrinhistas de todas as épocas, com o intuito de ampliar os conceitos da população sobre a Nona Arte. Os painéis serão exibidos na Sketch e na Cidade Universitária da UCS (Universidade de Caxias do Sul).

Fonte: http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=20134

Quadrinhos em Ação #0 para download


A revista online Quadrinhos em Ação #0, já noticiada aqui, acaba de ser disponibilizada para download. Editada por Carlos Henry, Quadrinhos em Ação #0, entre outras matérias, apresenta um artigo sobre o Capitão 7 e outro sobre Os Guerreiros da Tempestade. A edição homenageia os Mestres Gedeone Malagola e Eugênio Colonnese. Outro destaque da edição é um debate sobre “os super-heróis brasileiros” com comentários de grandes nomes da HQB, como Lorde Lobo, Bené Nascimento (Joe Bennett), Jean Okada e Tony Fernandes.

Do editorial da edição destacamos o seguinte trecho: “Nada de alienígenas de Krypton, vigilantes de Gotham City ou de uma realidade alienígena à nossa! Começa aqui um novo universo! Nos anos 60, eles ainda eram muito influenciados e até copiados de suas matrizes norte-americanas, mas, nos dias atuais, eles gozam de mais personalidade e caracterização próprias. Nossos heróis são brasileiros e não desistem nunca!”. Para baixar a Quadrinhos em Ação #0 clique aqui.

Fonte: http://www.bigorna.net/index.php?secao=noticias&id=1240361535

Tutoriais para a produção de histórias em quadrinhos.

O grupo Nossa Visão, responsável pelo lançamento da Revista Humor em Quadrinhos elaborou três tutoriais para programas livres e gratuitos, que podem ser baixados gratuitamente no blog do projeto. Os tutoriais são voltados para iniciantes que pretendem produzir HQs, e não podem comprar os programas pagos.


As dicas são para utilização dos softwares GIMP, InkScape e Scribus, (clique nos nomes para baixar!) Essa iniciativa, faz parte da proposta do projeto Humor em Quadrinhos, de incentivar a produção de histórias em quadrinhos no Brasil.

Para mais informações, basta acessar:

http://humoremquadrinhos.blogspot.com

Fonte: http://zinebrasil.wordpress.com/

Aulas de histórias em quadrinhos na escola


Penso sobre muitas possibilidades para ver as Histórias em Quadrinhos – HQ – como uma área de grande importância para a formação em todos os níveis do ensino: fundamental, médio e superior. Como todos sabem as histórias em quadrinhos servem para diversão e entretenimento, mas seu uso ainda é reduzido como veículo de pesquisa e ensino.

Na educação fundamental e média, os quadrinhos ainda não são incluídos como conteúdo programático nos currículos escolares, e nem mesmo como metodologia didática para ensinar outras disciplinas tais como língua portuguesa, matemática, geografia, etc. Observa-se que nas faixas etárias do ensino fundamental e médio há grande consumo de quadrinhos pelo público estudantil. Os quadrinhos ajudam as crianças e jovens a consolidar seus hábitos de leitura e compreensão de idéias, sem falar do potencial dos quadrinhos em trabalhar conteúdos curriculares por causa da sua grande aceitação.


Se nós podemos observar que as crianças e os jovens têm hábitos bastante arraigados de leitura de histórias em quadrinhos, pode-se dizer que este interesse está sendo pouco aproveitado pela escola. A arte seqüencial ainda não está presente na sala de aula, como uma linguagem que ajude a integrar os conteúdos curriculares com a cultura, a linguagem e o interesse das crianças.


As experiências que se observam aqui e ali são ainda muito tímidas em contraposição com a grande necessidade e com o grande potencial desta linguagem que tem uma audiência cativa entre os mais jovens. Nas escolas, alguns professores de língua Portuguesa utilizam quadrinhos para trabalhar diferentes conteúdos e estratégias didáticas. Quando isto acontece, o interesse pelo texto apoiado por imagens da arte seqüencial é comum entre os estudantes de diferentes faixas etárias e culturas.


Devido a uma série de fatores favoráveis ao uso didático das histórias em quadrinhos na sala de aula, notamos uma grande necessidade de integrar esta linguagem como conteúdo e como método didático nas escolas de nível fundamental.


*Mauro Cesar Bandeira é professor, formado em Artes Plásticas, Habilitação em Licenciatura, do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília.


Fonte: http://zinebrasil.wordpress.com/

Salve os quadrinhos nacionais!

Por Marcus Ramone | Ilustração: Ronaldo Barata

Apenas 20% dos livros vendidos no Brasil são de autores do País. É o que aponta um artigo do escritor Ataíde Lemos, publicado na semana passada no portal Centro de Mídia Independente.

O que surpreende nos motivos apontados pelo autor para esse número tão constrangedor foi o fato de eles serem praticamente os mesmos que fazem da produção de quadrinhos brasileiros uma piada nos sentidos profissional e mercadológico.

Se na literatura brasileira há os escritores que bancam editorial e financeiramente suas obras e muitos deles não ganham nada além de ver seus livros citados em resenhas críticas (quando muito), nos quadrinhos o amadorismo e o diletantismo são algumas das principais pragas que levam a HQ nacional a um estado de letargia em que vale muito mais um punhado de fãs (ou bajuladores) do que a busca pela melhoria da qualidade dos trabalhos.

Então, vamos eleger os "culpados", levando-se em conta que as palavras a seguir não são bem uma exposição de culpa, apenas uma reflexão sobre a contribuição de quadrinhistas, leitores, editoras e sites especializados para esse problema do mercado nacional de HQs.

Começando pelos quadrinhistas: quem não quer produzir com dedicação, estudo e, principalmente, autocrítica, não tem o direito de reclamar da falta de espaço e apoio, muito menos pode "chorar" pela dificuldade de ganhar dinheiro com isso - se é que há muitos autores preocupados em transformar a coisa em profissão.

O que se vê é muito, muito trabalho ruim, daqueles que nunca encontrarão uma editora disposta a publicar ao menos um exemplar. Bastava ao autor um pouco da autocrítica - ou aceitar os erros que outros apontam, sem responder com o velho chavão "Esse cara é contra os quadrinhos nacionais" -, para apresentar aos leitores (e a uma eventual publicadora) um material minimamente aceitável e vendável.

Hoje, há produções de quadrinhos nacionais como nunca houve em outros tempos. A diferença é que a imensa (e bote imensa nisso) maioria é material independente que quase não chega às bancas e, via de regra, é mal escrito - inclusive no sentido gramatical da expressão -, tem desenhos ruins e é pouco divulgado, com raras exceções.

Mas é no meio disso tudo que aparecem trabalhos excelentes, obras que merecem aplausos e destaque, pois é inegável que o Brasil foi e continua sendo um celeiro de grandes artistas do traço.

Também é aí que entra o leitor, em sua maioria tão preconceituoso que não quer ou não consegue separar o joio do trigo. "É nacional? Então não presta", dizem muitos.

O complexo de vira-lata do brasileiro, já apagado em tantos segmentos, parece cada vez mais forte na área dos quadrinhos. "Qualquer porcaria produzida lá fora ainda é melhor do que as boas produções daqui", escrevem alguns pela internet afora.

Não é verdade.

Às vezes me pergunto: Mike Deodato seria tão conhecido por aqui e considerado "o cara" se não estivesse trabalhando para editoras dos Estados Unidos? O que ele fizesse para o mercado brasileiro seria inferior ao que atualmente faz para lá?

E se Crise Final e similares, duramente criticados, fossem produções brasileiras que mudassem apenas os personagens? Seriam piores do que são, simplesmente por não serem criadas nos Estados Unidos?

Quanto às editoras de quadrinhos, parafraseando o que Ataíde Lemos disse sobre as publicadoras de livros, elas buscam lucro e não são entidades caça-talentos, lançando apenas produtos que tragam a certeza de um bom retorno financeiro.

É preciso conviver com isso. A despeito de como trabalham muitos quadrinhistas nacionais, as editoras são empresas que pensam profissionalmente.

Mas, dentre algumas soluções - nas quais pode ser incluída a simples procura por um bom material; afinal, há apostas em HQs estrangeiras desconhecidas por aqui que acabam se tornando bem-sucedidas comercialmente -, as editoras poderiam manter ou se associar a um estúdio para produzir seu próprio material, como o saudoso Estúdio Disney da Editora Abril.

Nesse aspecto, em vez de receber e na mesma hora refutar um trabalho já pronto, que por algum motivo não agradou, a editora poderia fazer o seu papel de editar, acompanhando todo o processo criativo. No fim, poderia até mesmo pensar em exportar suas produções.

A meu ver, qualquer fracassada tentativa anterior de fazer algo do tipo (como a Abril Comics, no final da década passada) não serve agora como motivo para engavetar novos projetos. É impressionante o que um pouco de coragem pode trazer de positivo a qualquer empreendimento.

Na seara da internet, acho válidos os sites e blogs especializados em quadrinhos brasileiros, em sua maioria dedicados apenas aos lançamentos independentes - a maioria do coletivo 4º Mundo, que vem ganhando espaço e destaque justamente por ser organizado, mesmo que nem todas as publicações com seu selo sejam um primor de qualidade.

Esses sites e blogs são algumas das ferramentas pelas quais muitas HQs ganham uma divulgação mais ampla, algo que sem a grande rede seria praticamente impossível.

Só que, infelizmente, percebo um radicalismo que não leva a nada.

Primeiro, há uma tendência, em alguns desses sites, a levantar incômodas bandeiras xenófobas (contradizentes com a própria insistência de várias HQs, divulgadas ali, em emular super-heróis gringos). Depois, o exagero em enaltecer qualidades muitas vezes inexistentes, apenas por serem quadrinhos nacionais - tapinha nas costas e palavras bonitas são bons; mas, de vez em quando, apontar equívocos é o melhor incentivo para ajudar alguém a crescer em qualquer área da vida.

Considero um tiro no pé essa segmentação. Ora, se já é difícil divulgar essas HQs e diminuir o preconceito contra elas, qual o sentido de afastar os visitantes com assuntos restritos e ataques (explícitos ou não) endereçados a leitores que só curtem quadrinhos norte-americanos?

Garanto que eu mesmo visitaria com mais frequência esses sites se encontrasse neles informações não apenas de materiais brasileiros, mas também sobre lançamentos de HQs europeias, japonesas, norte-americanas... enfim, de quadrinhos, sejam eles de que nacionalidade forem. Bastava que fossem bons

Alguém pode argumentar que tem o direito de montar uma página na internet sobre o estilo de quadrinhos que preferir. Isso é óbvio e, repito, é uma bem-vinda forma de divulgação. Mas, dada a situação atípica da produção nacional, caberia um pouquinho de flexibilidade para atrair mais visitantes que, por exemplo, em busca de informações sobre um mangá recém-lançado, conheceria - e se interessaria - por uma determinada revista em quadrinhos nacional da qual nunca tomara conhecimento.

É claro que omiti ou me esqueci de expor e analisar muitos aspectos sobre o mercado de quadrinhos brasileiros e os elementos que o compõem, mesmo porque nunca foi minha intenção redigir uma tese acerca de um tema que envolve tantos "se", "talvez", "não é bem assim", "você está errado" e "eu estou certo".

Afinal, vale lembrar, faz quase 30 anos que as HQs mais vendidas no Brasil são brasileiras - as revistas da Turma da Mônica. Mas tem espaço para muito mais autores e suas criações no mercado.

Espero apenas que tomem forma debates nos quais pipoquem soluções e iniciativas que tragam ao título deste meu artigo um significado muito além do trocadilho suscitado por ele.

Fonte: http://www.universohq.com/quadrinhos/2009/rec_hqnacional.cfm

terça-feira, 21 de abril de 2009

Revista História, Imagem e Narrativas n° 08

Gosto muito desta revista. Tem uns artigos bons e é aberta a pesquisas feitas com quadrinhos. No n° 8 tem pelo menos 3 textos interessantes. Leia o editorial:

Editorial
edição 8- abril de 2009

Nossa revista chega ao seu oitavo número recobrando o modelo mais simples com o qual iniciamos essa empreitada. Daqui partiremos para uma alteração nos critérios de avaliação e em diversos outros padrões que até o momento nortearam a publicação. Visamos, assim, atingir novo patamar de qualidade num trabalho que, parodiando Raul Seixas, é uma "metamorfose", se não ambulante, ao menos constante. Eis nossa estabilidade dinâmica, conceito muito usado em engenharia de produção para designar capacidade de mudanças contínuas de um projeto ao mesmo tempo em que o mesmo se mantém de pé.

A edição 8 conta com novos artigos sobre quadrinhos sob uma ótica histórica, como vimos fazendo desde o primeiro número. Junto a isso, há análises focalizadas na cultura dos tropeiros, um estudo sobre Barbarella, a linda personagem de quadrinhos que se tornou estrela de cinema incorporada na não menos bela Jane Fonda. Aqui também há um estudo sobre cemitérios que longe de ser assustador, é uma abordagem de relevo sobre os paradigmais culturais brasileiros e as influências de culturas estrangeiras. Por fim, temos um trabalho detalhado sobre o absolutismo e outro sobre a criação da Petrobrás.

Esperamos que o material disponibilizado possa responder algumas das dúvidas dos leitores e suscitar-lhes novas e importantes questões.

Saudações cordiais,

Carlos Hollanda
Doutorando pelo PPGAV - Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (EBA-UFRJ)
Mestre em História Comparada (PPGHC-UFRJ)

Para acessar a Revista, clique aqui!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Mediateca convida:


Clique na imagem para ampliar!

OFICINA DE CONTADORES DE HISTÓRIAS


MÓDULO I – maio de 2009


O ato de ouvir uma história nos permite vivenciá-la como se nós mesmas fôssemos a heroína que cede diante das dificuldades ou que as supera no final. Num sentido muito real, ficamos impregnadas de conhecimento só por termos dado ouvido ao conto.”

CLARISSA PINKOLA ESTÉS


Mulheres que correm com os lobos

ler, cantar e contar histórias;

ambiência e vivências narrativas;

referências teóricas e bibliográficas;

expressão corporal e expressão vocal;

montagem de repertório:

contos populares, lendas, mitos, fábulas, crônicas, poemas, cartas, romances ,contos autorais, ensaios, o texto oral e o texto escrito, histórias das histórias.


Apoiar o contador de histórias, oferecendo-lhe suporte técnico a partir de referências teóricas e bibliográficas, e prático, por meio de ambiências e vivências de narrativas pessoais e autorais.

Responsável pela oficina
Francisco Gregório Filho
Local
Paço Imperial
Sábados de 2 a 23 de maio

das 14 às 18 horas


Informações e Inscrições Paço Imperial

Setor Educativo

Praça XV de Novembro, 48 - Centro

Rio de Janeiro, RJ 20010-010

Telefones: (0__21) 2533-4407 Ramal 250

e-mail: franciscogregorio@pacoimperial.com.br

Vagas limitadas

Inscrições: a partir de abril.

Quadrinhos na Universidade

Mark Millar (Wanted, Kick-Ass), Alan Grant (Judge Dredd, Batman), Denise Mina (Hellblazer), Ian Rankin (Dark Entries) e outros escritores de quadrinhos vão dar aulas na universidade.

Eles estão entre os professores convidados pelo curso de Escrita Criativa, em nível de mestrado, recém lançado pela Napier University, em Edimburgo, Escócia.

O curso foi montado pelo editor David Bishop (da revista britânica de histórias em quadrinhos 2000 AD) com o agente literário Sam Kelly. A proposta dos dois é um curso que forme alunos para o mercado de trabalho em ficção para quadrinhos, romances, TV, cinema e outras mídias.

Segundo eles, a maioria dos cursos de Escrita Criativa “dirige-se a aspirantes a poetas e pessoas interessadas em expressão pessoal através da ficção literária”, diz Kelly.

A idéia do novo curso, porém, é treinar os alunos para escrever dentro de gêneros comerciais como policial, fantasia e ficção científica, o que meios acadêmicos tendem a rejeitar.

As inscrições estão abertas no site da universidade http://www.courses.napier.ac.uk/W54719.htm?Nav=0.

Fonte:http://www.impulsohq.com.br/2009/04/20/quadrinhos-na-universidade/#more-4058

Curso de Literatura Infantil e Juvenil: Prosa e Poesia (RJ)


O curso Literatura Infantil e Juvenil: Prosa e Poesia Contemporâneas; promovido pela Estação das Letras (Rua Marquês de Abrantes, 177 – Flamengo – Rio de Janeiro – RJ.), já esta com inscrições abertas. O curso será realizado entre os dias 7 de maio a 2 de julho, das 14:30 às 16:30, As aulas serão ministradas pelo especialista em literatura infanto-juvenil, e mestre em Literatura Brasileira, Ricardo Benevides sempre às quintas-feiras.

Mais informações

(21) 3237-3947


Fonte: Zine Brasil