segunda-feira, 22 de março de 2010

O MANGÁ COMO INGREDIENTE NA SALA DE AULA


Quem procura acha. Eu estava busando algum material legal sobre mangá e ensino e me deparei com uma entrevista da minha colega/amiga historiadora Valéria Fernandes, falando sobre os mangás na escola. Não podia deixar colocar aqui no blog. Segue!

ENTREVISTA COM VALÉRIA FERNANDES

“Ao trazer esse material que é conhecido e estimado, a escola tem muito a ganhar, porque pode mostrar que estudar pode ser divertido e que o que se aprende na escola está conectado com outros componentes da nossa vida”.

Imagine-se numa aula de história... De repente, uma pausa o leva a um encontro com um heroi da guerra civil japonesa, imerso em cenários e costumes da época, lutando bravamente por conquistas, salvando famílias e conhecendo a garota de seus sonhos... Na opinião da brasiliense Valéria Fernandes, essa poderia ser uma realidade para todos os alunos: utilizar os mangás para aumentar o aprendizado em sala de aula. Valéria não esconde sua paixão pelos quadrinhos japoneses e garante que, como instrumento pedagógico e material de apoio, o mangá tem muito a agregar e a complementar. Acompanhe a entrevista que o Portal Conexão Aluno fez com essa professora de história, que costuma fazer de suas aulas um misto de fantasia, cultura e aventura.

Conexão Aluno (CA) - Pelo seu blog, vejo que é fã de mangás. Há quanto tempo os lê e de qual gênero mais gosta?

Valéria Fernandes - Leio mangás desde 1999, acredito. Comprava em japonês mesmo, lia com o script em inglês. Depois passei a comprar mangás que estavam saindo nos EUA. Aqui no Brasil, nem tudo que sai é do meu interesse. Como prefiro shoujo, que são as histórias mais românticas – o nome do meu blog é Shoujo Café. Até algum tempo atrás tinha pouco o que comprar no Brasil.


CA - Há quanto tempo você é professora de história? Dá aula para que séries?

Valéria Fernandes - Dou aulas de História desde 1996. Comecei como voluntária em um Pré-Vestibular comunitário. Hoje leciono no Colégio Militar de Brasília. Normalmente, ficamos somente com uma série por ano. Agora estou com o 3º ano, mas já passei pela 6ª série (7º ano), 7ª série (8º ano) e 1º ano do Ensino Médio.

CA - Você acha que o mangá pode ser utilizado como instrumento didático e pedagógico?
Valéria Fernandes - Sem dúvida. Seja como incentivo à leitura ou para discutir temas ligados aos conteúdos das disciplinas. É uma forma de usar o lúdico para atingir objetivos pedagógicos.

CA - Qual seria a importância de implantar esse método de ensino, usando o mangá em sala de aula?
Valéria Fernandes - Acredito que os quadrinhos fazem parte do dia-a-dia de muitos alunos e alunas. Eles se divertem e se identificam com as personagens. Ao trazer esse material, que é conhecido e estimado, a escola tem muito a ganhar porque pode mostrar que estudar pode ser divertido e que o que se aprende na escola está conectado com outros componentes da nossa vida.

CA - Como o mangá pode ser trabalhado com os alunos? Haveria alguma restrição de série ou idade?
Valéria Fernandes - Começo pelo fim. Há restrições? Claro que sim. Há mangás para todos os públicos e idades. A primeira coisa é selecionar o material adequado à faixa etária. Depois é preciso ter em mente que o quadrinho, assim como o filme, não é um recurso para não se dar aula, mas parte dela. É preciso construir um plano de aula que agregue o mangá ao fluxo da apresentação do conteúdo. Recentemente levei quadrinhos – não só mangá – sobre a Segunda Guerra para mostrar aos alunos. Alguns folhearam e se interessaram. Se por acaso pararem para ler, desenvolverão a leitura, aprenderão vocabulário e refletirão sobre matéria de História.

CA - Você é professora de História. O mangá também pode ser usado em outras disciplinas?
Valéria Fernandes - Pra começar, qualquer mangá poderia ser utilizado em língua portuguesa. Um mangá como Moyashimon (não é publicado no Brasil), por exemplo, poderia ajudar nas aulas de Biologia, pois trata de temas relacionados à agricultura. Qualquer mangá poderia ser usado nas aulas de arte, para estudar assuntos como perspectiva ou o uso de luz e sombra.

CA – Já experimentou isso em sala de aula? Como foi a reação dos alunos?
Valéria Fernandes - Muito positiva. Mesmo que alguns torçam o nariz, dizendo que quadrinho é coisa de criança, a maioria parece gostar da experiência.

CA - Que diferenciais a estrutura do mangá traz à educação do aluno? Que habilidades a leitura desenvolve neles?
Valéria Fernandes - Dependendo do material selecionado, os alunos podem expandir sua cultura geral, desenvolver a leitura, serem estimulados a desenvolver o trabalho em equipe, valorizar a disciplina, o esforço e a amizade. Essas virtudes são estimuladas em quase todos os mangás, até naqueles que dificilmente seriam aconselháveis como material paradidático.

CA - Já apresentou algum projeto sobre o uso do mangá em sala de aula?
Valéria Fernandes - Já apresentei dois trabalhos sobre isso. Na verdade, não exatamente sobre mangá, mas sobre a produção de quadrinhos pelos alunos. Mantive durante três anos um trabalho com os alunos de 7ª série que consistia na produção de quadrinhos relacionados à matéria. Os resultados foram muito bons.

FONTE: CONEXÃO ALUNO

2 comentários:

Joao Paulo disse...

Parabéns pela iniciativa! Sou estudante de Letras, me formo em agosto deste ano, e meu Trabalho de Conclusão de Curso intitula-se "Mangá: entre o pop e o cultural", no qual eu contextualizei desde a origem até a contemporaneidade do mangá. Na primeira parte do trabalho apresento minha pesquisa considerando o mangá como um gênero textual. Na segunda faço uma contextualização e aprofundamento do referido gênero. E na última seção apresento uma proposta metodológica para aulas de Língua Portuguesa nas séries finais do Ensino Fundamental embasada no mangá dos Cavaleiros do Zodíaco,de Masami Kurumada, um dos mais populares entre a garotada. Penso em dar continuidade a este trabalho no mestrado. Espero que dê certo.

Natania Nogueira disse...

Tenho certeza que já deu certo, pela demora que eu tive em responder seu comentário. Em todo caso, sucesso!